Estudos dos Mananciais Hídricos na Região do Campeche e na Região da Praia dos Ingleses, município de Florianópolis - CASAN

EmpreendimentoClique para ver
ÁREA DE ESTUDO E DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO AVALIADOS Os estudos foram desenvolvidos: (i) na porção norte da Ilha de Santa Catarina, mais especificamente na região dos Distritos de Ingleses do Rio Vermelho e São João do Rio Vermelho (englobando as praias dos Ingleses, Santinho e Moçambique), perfazendo uma área de aproximadamente 30km² e; (ii) na região do Campeche, que engloba a porção sul da Lagoa da Conceição, praias da Joaquina, Morro das Pedras e Campeche e respectivo sistema lagunar e de manguezais da região, perfazendo uma área de aproximadamente 39,2km². O abastecimento público de água é realizado pela CASAN nas duas áreas a partir da exploração do aqüífero por intermédio de poços tubulares profundos. O Sistema Ingleses é composto por 19 poços tubulares, com uma vazão total de aproximadamente 330l/s, num regime de operação de 24 horas. No Sistema Campeche existem atualmente 12 poços em funcionamento, com uma vazão total de aproximadamente 120l/s, em regime de operação igual ao Sistema Ingleses.
Serviços ExecutadosClique para ver
O trabalho desenvolvido buscou avaliar o potencial hídrico dos dois sistemas Ingleses e Campeche, de forma a definir o correto dimensionamento do sistema de captação de água subterrânea, definindo também as condições ótimas e máximas de explotação do aqüífero, evitando-se a potencial salinização do sistema aqüífero.
Também foi avaliada o potencial de contaminação do sistema aqüífero por efluentes domésticos e outras formas de poluição por atividades urbanas (postos de abastecimento, indústrias, agricultura etc.).
Como resultado do trabalho foi apresentado um Projeto de Proteção e Preservação dos Sistemas Aqüífero e um Zoneamento de Restrições à Ocupação do Solo, hierarquizando-se os graus de restrição ao avanço de mancha urbana e sua densificação, a partir do conhecimento das fragilidades naturais do meio físico e biótico e das necessidades de preservação do sistema de abastecimento por poços profundos

• Caracterização geológica da região de estudo;
• Realização do balanço hídrico a partir de dados tais como precipitação, evapotranspiração, escoamento superficial e infiltração;
• Avaliação da recarga: realização de testes de infiltração e ensaios de permeabilidade;
• Avaliação do uso da água subterrânea na área (medição de vazões, níveis estáticos e dinâmicos dos poços, regime de operação) e levantamento do sistema de tratamento a partir de ETE´s;
• Estudo da relação de recarga & descarga a partir dos dados do regime de exploração dos aqüíferos e do balanço hídrico calculado;
• Execução de testes de aqüífero e definição de parâmetros hidrodinâmicos: determinação de dos parâmetros hidrodinâmicos do aqüífero tais como: transmissividade, armazenamento e condutividade hidráulica. Avaliação dos ensaios de bombeamento a partir dos métodos de Thiem com correção de Dupuit, Método de Theis sem correção de Dupuit e Método do Rebaixamento;
• Análise biológicas e físico-químicas em 41 poços;
• Estudo geofísico com o mapeamento dos contornos da variação da profundidade do nível freático, da variação da espessura do aqüífero, da compartimentação do aqüífero e da direção dos fluxo;
• Estudo de vulnerabilidade natural dos aqüíferos e do potencial de contaminação a partir da definição de fontes potencialmente poluidoras na área de estudo
• Estudo do modelo regional de fluxo através da utilização de ferramentas computacionais (MODFLOW e ASM). Modelagem matemática tridimensional de fluxo a partir da definição de diferentes cenários de explotação (estado de equilíbrio, regime atual de explotação, regime otimizado e regime de máxima vazão admissível);
• Estudo da intrusão marinha: cálculo definição da posição da cunha salina em relação aos sistemas aqüífero
• Elaboração do projeto de proteção e preservação do aqüífero;
• Elaboração do manual de proteção e manutenção do poços;
• Elaboração dos seguintes mapas na escala 1:10.000 e 1:20.000: espessura da zona não-saturada do aqüífero (profundidade do topo do aqüífero), curvas de isoprofundidade do aqüífero, curvas de isoprofundidade do embasamento cristalino, uso e ocupação do solo; zonas de recarga, vulnerabilidade natural do aqüífero, cargas de contaminação orgânica, potencial de contaminação orgânica, situação atual da cunha salina, regime de avanço da cunha salina, cenários modelados para o comportamento piezométrico dos aqüíferos (visualização bidimensional e tridimensional do estado de equilíbrio, da situação atual de explotação, da situação otimizada e da situação em regime de vazão máxima de explotação), projeto de proteção e preservação dos aqüíferos, zoneamento de restrições ao uso e ocupação do solo para fins de proteção do manancial hídrico, áreas de preservação permanente, incluindo-se os manguezais.